"Somos anjos duma asa só e só podemos voar quando nos abraçamos uns aos outros."

Pensamento de Fernando Pessoa deixado para todos os que estão na lista abaixo e àqueles que passam sem deixar rasto. Seguimos juntos!

OS AMIGOS

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

DESCREVER E LER O MEU PAI...


Eu e o meu pai


Desde que apurei o gosto pela escrita que se aguçou em mim a vontade de escrever as histórias da história de vida do meu pai.
O seu carácter sensível e bondoso, frágil e lutador, aliado à criança que preservou dentro de si, foi talvez a fórmula certa que usou para atravessar os inúmeros e áridos desertos dos seus 87 anos. Um poço de vivências repletas de sabedoria que transporto e guardo dentro de mim.
Há algum tempo que comecei a juntar este espólio sem lhe esconder o propósito, embora ache que ele nunca me levou a sério – até porque nunca se apercebeu que eu escrevo – mas os seus olhos brilham de cada vez que o levo a desfiar as suas memórias e esses momentos vão recheando de conteúdo a minha própria história.
Pelo meio informo-o dos avanços da minha escrita, mas, porque nunca gostei de ler em voz alta para ninguém – por ser lamechas e emotiva – também nunca lhe li na íntegra o que já escrevi sobre ele…até ontem…

Veio visitar-me e atacou assim:
-“Uma vizinha disse-me que me viu no computador”
Em alerta mas escondendo o pânico interior, retorqui com a calma que pude:
 “O pai sabe que eu estou registando em escrita a sua história, não sabe? E também sabe que eu partilho com amigos, no “computador” as mesmas…”
“Pois…sei…mas como é isso, mostra lá…”
Senti que o momento que adiei consecutivamente tinha chegado. Enquanto fui em busca do computador exercitei e estimulei a minha coragem ao mesmo tempo que tentava abrandar as batidas do meu coração, mas cá dentro só dizia: e agora?

Poisei o computador e abri as fotos ao mesmo tempo que ia identificando cada uma com a respectiva história, até que me disse:
- “Lê essa”
Era precisamente a que escrevi contando de forma sucinta a sua história desde menino. Respirei fundo e comecei – pensava eu – cheia de coragem.
Ainda mal tinha começado, o meu pai interrompeu-me com um choro convulsivo, profundo e sentido que me cortou a coragem em pedaços…afaguei-o já sem me esforçar para ser forte e ficámos os dois ali, abraçados com longos intervalos entre os parágrafos para nos recompormos, mas chegámos ao fim. Um fim que – sei – foi um início.
Levei-o à porta num abraço e na despedida disse-me assim:
“O pai já te contou aquela, de como se escondia do avô para não levar “porrada”?”
Respondi que não…
“Atão dexa tar que quando cá vier vou contar…eu fui um menino muito maltratado…”
Com a lagrimita a assomar, mas orgulhoso, finalizou:
“Mas ainda cá tô e tenho as minhas três filhinhas que foi a melhor coisa que Deus me deu”

Obrigado pai…

Dulce Gomes

6 comentários :

  1. Que posso eu dizer diante de uma cena que revela tão grande amor assim??? Filha abençoada por ser amorosa. Pai abençoado por criar filha assim! Adorei! Emocionei-me! um abraço bem apertado! Parabéns!

    ResponderEliminar
  2. Minha linda amiga... que bem me soube...

    Que maravilha de família, uma verdadeira bênção de Deus!

    Um grande, grande beijinho fraterno. Fiquei de olhos marejados.

    ResponderEliminar
  3. Ó Amiga Dulce,
    Que ternura, que momento este que me deixou de lagriminhas nos olhos!
    Vidas difíceis mas onde o Amor imperava e que era transmitido desta forma tão verdadeira, tão genuína.
    Parabéns para si e suas manas e um abraço ao seu paizinho maravilhoso.
    Um grande beijinho e muito obrigada.
    Emília
    (hoje deixo o meu nome, porque estes momentos são especiais e calam fundo no meu coração.)


    ResponderEliminar
  4. um emocionante e emocionado relato de um amor tão grande que certamente te gratifica muito. parabéns.
    beijos :)

    ResponderEliminar
  5. Querida amiga

    Peço desculpas pela minha ausência, mas não é por esquecimento, mas sim por conta de meu novo projeto, o qual me está retirando muito tempo.

    Ser esposa, mãe, amiga, dona de casa, e ainda aprendiz de escritora, não é tarefa muito fácil, requer de nós um grande equilíbrio.

    Queria muito agradecer por sua presença amiga lá no meu cantinho, presença que me alegra por demais meu coração e minha vida! Muito Obrigada!

    Me perdoe por alguma coisa.

    Um lindo dia para você.

    Abraço amigo

    Maria Alice

    ResponderEliminar
  6. Olá, querida Dulce
    Seu post me emocionou e me fez recordar do meu pai amado...
    Temos isso em comum a mias, viu???
    O amor paterno é surpreendente e nos conduz ao de Deus com suavidade...
    Estou indo pra uma Missão além fronteira e só retorno daqui a um mês...
    Passando hoje pra informar para que vc não fique preocupada com o meu "sumiço", viu???
    Entretanto, deixo post programado em todos os Blogs...
    Na volta, retribuirei os comentários deixados, se Deus quiser!!!
    Fiquemos com a Deus da paz!!!
    Bjs fraternos

    ResponderEliminar

As palavras de amizade e conforto podem ser curtas e sucintas, mas o seu eco é infindável.
Madre Teresa de Calcutá