"Somos anjos duma asa só e só podemos voar quando nos abraçamos uns aos outros."

Pensamento de Fernando Pessoa deixado para todos os que estão na lista abaixo e àqueles que passam sem deixar rasto. Seguimos juntos!

OS AMIGOS

sábado, 1 de outubro de 2011

RENDIÇÃO


O meu mundo...
é feito de páginas amarfanhadas pela rendição
Tão amachucadas como os anseios
 Sonhos e desejos
Escritos pela minha mão...
São como velas em riste
Onde me aventuro a esperar
 O toque do vento que insiste
Em não me querer manobrar...
Mas eu quero! 
E neste tanto querer
Hasteio a bandeira da esperança
Num agitar quase dolente
E ainda que o meu barco não ande
A minha alma sente-se guiada
E empurrada, segue em frente...

5 comentários :

  1. "A alma sente-se empurrada, segue em frente..."
    Gostei muito deste poema, as palavras tocaram direitinho ao coração.
    Bj

    ResponderEliminar
  2. "...Mas eu quero! E neste tanto quererHasteio a bandeira da esperança..."

    Esperança, essa palavra que nos faz seguir...


    beijinhos


    Gisele

    ResponderEliminar
  3. "São como velas em riste
    Onde me aventuro a esperar
    O toque do vento que insiste
    Em não me querer manobrar...
    Que os toques desse vento,, mudem de direção e te emprrem vigorosos,, refrescantes aos sonhos que você tanto anseia. Beijão!

    ResponderEliminar
  4. Persistente e corajosa!É assim a minha Dulcinha!!!
    Creio que não sabes o que é desistir da Esperança.Gosto de pessoas com garra.Fortes!
    ,,,e é sempre tão consolador descansar aqui no teu Degrau,Dulce!
    Até renasce em mim a brasa que já estava a ficar mortiça!
    Bem-hajas amiga.
    bjinhosss

    ResponderEliminar
  5. Amiga Dulce,
    Muito belo e profundo o que escreveu:
    "E ainda que o meu barco não andeA minha alma sente-se guiadaE empurrada, segue em frente..."
    Que a Esperança seja seja sua companheira nessa vontade forte que a envolve.
    Um beijinho e bom feliz domingo.
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderEliminar

As palavras de amizade e conforto podem ser curtas e sucintas, mas o seu eco é infindável.
Madre Teresa de Calcutá