"Somos anjos duma asa só e só podemos voar quando nos abraçamos uns aos outros."

Pensamento de Fernando Pessoa deixado para todos os que estão na lista abaixo e àqueles que passam sem deixar rasto. Seguimos juntos!

OS AMIGOS

quarta-feira, 18 de Janeiro de 2012

OLHAR O MAR...


Olhar o mar…
É deixar que ele desenhe com precisão os traços da minha vida. Escutar o marulhar das ondas, das ventanias e o encadeado dos mares de leva em tempos de maresias…
Olhar o mar…
É transportar-me ao céu nas asas duma gaivota, perder-me na bruma, poisar no revelim e de respiração suspensa escutar o som profundo do seu bater nas rochas enegrecidas, enquanto os barcos de pesca assomando na linha do horizonte, traziam o sustento, que calavam os silenciosos lamentos das misérias de tantas vidas…
Olhar o mar…
É fechar os olhos e repisar a praia onde cresci, sentir o ranger da areia fina debaixo dos pés e rever as pegadas diminutas de uma simples e vulgar menina. Corria, bebendo o vento da alegria como se fosse uma estrela-do-mar beijando os recantos mais profundos do seu mundo. E só parava, quando perdia o pé no vaivém da alta maré, onde uma mão forte, calejada pelos ventos do norte, a segurava.
Olhar o mar…
É sorver o cheiro a bolachinha americana,  batata frita, a bola de Berlim, sabores inconfundíveis e tão tatuados num mar de recordações sem fim.
É lembrar a exactidão com que contava cada tostão bem arrecadado numa velhinha carteira, comprada a muito custo numa banca da feira. E de mãos cheias, este pedacinho de gente, atravessava a areia quente em bicos-de-pés e aterrava na toalha pesada de tão molhada , saboreando o sol e o sal do mar a cada dentada.
Olhar o mar…
Faz-me sentir grata, abençoada e de bem com a vida. 
Neste mar estão as marcas das minhas tempestades dissolvidas. Em cada onda batida leio histórias presas às minhas memórias sem espaço, tempo ou idade.
E um dia, quando os meus pés já não alcançarem a areia fina; quando encalhar a gasta carcaça em qualquer canto, sei que correrei de novo como menina, e navegarei até encontrar o mesmo mar que me fez sonhar e ser feliz, mas também se misturou, tantas vezes, com o sal do meu pranto.

Dulce Gomes

8 comentários:

  1. Amiga Dulce,
    Um poema em prosa muito belo.
    Por vezes sentimo-nos impelidos a recuar no tempo para encontrar um pouco de conforto para a nossa alma.
    Que esse seu mar continue a ajudá-la no reencontro com as coisas belas da vida.
    Um grande beijinho.
    Ailime

    ResponderEliminar
  2. Olá, querida Dulce
    O sal do meu pranto também se mistura às águas do mar perto de onde moro...
    Bjm de paz e esperança

    ResponderEliminar
  3. Eu olhei esse seu mar e lhe vi, franzininha a pisar na areia. Ouvi até o ranger da areia fina debaixo de seus pés, Que bom foi olhar o mar contigo e ver em seus olhos tanta gratidão! Grande abraço!

    ResponderEliminar
  4. Gosto muito de olhar o mar, dá uma
    serenidade...
    Beijinho, querida!

    ResponderEliminar
  5. sem palavras ,, simplesmente ÚNICO , senti as tuas sensações nas tuas palavras ..

    sabes miga eu gosto de olhar o mar , dá-me uma sensação de paz ..

    beijinho do tamanho do mundo ...

    ResponderEliminar
  6. Olá, Dulce.
    Vim visitar este seu espaço que fez com que me sentisse "abençoada"... tal como me sinto, quando fico em silêncio a olhar o mar*

    Obrigada
    bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Teresinha, bem vinda.
      Obrigada pela visita e também pelas suas palavras.
      O mar é um catalizador de paz e harmonia

      Eliminar
  7. Teresinha Amoroso
    (esqueci de me identificar)

    ResponderEliminar

As palavras de amizade e conforto podem ser curtas e sucintas, mas o seu eco é infindável.
Madre Teresa de Calcutá